Alarmes - Rastreador Veicular - Alerta Segurança Eletrônica

Alarmes - Rastreador Veicular - Alerta Segurança Eletrônica
Antônio Cândido de Camargo,
449 - Limeira/São Paulo
alerta@alertaseg.com.br
Alerta Segurança Eletrônica19 3446.4492
Site
Postado
15 Abr 16

Disparo falso

Quem tem o serviço de monitoramento 24h contratado sabe como é terrível receber uma ligação, no meio da madrugada, por causa do alarme no sensor do seu barracão, que já vem disparando por mais de uma noite. Existe uma quase certeza de que não seja nada, mas mesmo assim permanece a dúvida. Você já até foi algumas vezes ao local depois do disparo para verificar se tudo estava bem, e em todas elas tudo estava normal. Depois de algum tempo, você acaba se acostumando e começa a achar que está sempre tudo bem no local, e que o alarme dispara por algum outro motivo, mas não por causa de ladrão.
Segundo estatísticas da ABESE (Associação Brasileira das Empresas de Segurança Eletrônica), ter um alarme monitorado reduz em até 94% as chances de o imóvel ser invadido, porém 95% das vezes em que o alarme dispara, não é devido à presença de um ladrão e sim por algum outro motivo.
Conheça os principais motivos que causam um disparo falso:
- Cliente:
Grande parte dos disparos falsos é causada pelos clientes, por motivos como, por exemplo, depois de acionar o alarme, o cliente circular por lugares que têm sensores; ou por entrar no imóvel por um local diferente do usual; pelo tempo de entrada e saída não estar configurado adequadamente; e até mesmo por ir até o local sem a senha do alarme.
- Correntes de ar:
Correntes de ar com temperaturas diferentes da temperatura do ambiente também podem causar disparos nos sensores IVP (Infra Vermelho Passivo). Por isso, é necessário atenção para deixar fechadas todas as portas e janelas, a fim de impedir que essas correntes de ar circulem pelo imóvel. Caso a residência ou empresa tenha ambientes semiabertos que necessitam de proteção, também é preciso estar atento ao tipo de sensor a ser instalado, pois existem sensores com tecnologias diferentes, ou seja, específicos para ambientes fechados, semiabertos ou completamente abertos, o que ajuda a evitar a ocorrência de disparos falsos.
- Chuva:
Outra grande causadora de disparos falsos é a chuva, principalmente quando o local conta com cerca elétrica instalada. Seu funcionamento ocorre da seguinte maneira: o fio sai de uma central de choque, circula a área protegida, e depois volta para a central de choque.  Quando a energia não volta à central de choque, a cerca elétrica dispara.
 
 
 
Como a água é uma excelente condutora de eletricidade, caso haja algum contato entre a cerca e a vegetação molhada, por exemplo, a corrente elétrica que passa pelos fios irá se dissipar e, consequentemente, não voltará à central de choque, ocasionando um disparo falso.
É necessário dar atenção às goteiras no imóvel, pois elas também podem causar disparos nos sensores IVP.
Os sensores IVA (Infra Vermelho Ativo), que ficam normalmente na parte externa do imóvel, também podem disparar. Como são formados aos pares e ficam sempre se “olhando”, em casos de chuva forte, algo pode obstruir essa “visão” e também resultar em um falso disparo.
- Fios soltos na cerca elétrica:
É indicado que a cerca elétrica esteja sempre em perfeito estado, pois fios soltos ou bambos podem ocasionar disparos falsos ao entrar em contato com outros fios ou com o muro onde está instalada.
-Outros motivos:
Além dos já citados, existem outros motivos que podem ocasionar falsos disparos, como vegetação; objetos soltos que se mexem dentro do imóvel; problemas no sistema; instalação ou posicionamento errados; regulagem errada nos sensores; sujeira nos sensores; animais; portas que não fecham direito ou mexem muito com o vento; quando o detector de quebra de vidro capta barulhos semelhantes ao de vidro quebrando; ou quando sensores de impacto detectam vibração como, por exemplo, de um ônibus passando. Todos esses disparos falsos geram graves consequências para as empresas de segurança eletrônica e para os clientes.
 
Consequências para a empresa:
-A empresa perde credibilidade com a polícia, porque solicita a ida de policiais até o local e quando eles chegam lá e verificam que não há nada, pode-se dizer que não ficam muito felizes;
- A equipe de monitoramento, apesar de bem treinada e instruída, pode acreditar que não esteja acontecendo nada no local e não priorizar um atendimento que realmente pode ser uma invasão, já que determinada zona do alarme sempre dispara.
- A criação desnecessária de filas de atendimento, pois pode acontecer de um falso disparo ser atendido no lugar de alguém que realmente precisa.
 
Consequências para os clientes:
- Insatisfação e irritação por achar que o alarme esteja mais incomodando do que fazendo o trabalho de identificar somente invasões reais;
- Perda de confiança no sistema de alarme, por achar que o disparo é sempre em vão.
 Ao longo dos 19 anos de trabalho, a Alerta já passou por diversas situações que comprovaram que o disparo em somente uma zona do sistema de alarme pode, realmente, ser uma invasão. Em 2015, foram registrados dois roubos nos quais ocorreu somente um disparo em uma zona do alarme. É claro que, se mais de um sensor for disparado em sequência, a chance de ser um roubo ou de ter alguma pessoa no local é muito maior, porém, não se pode descartar a hipótese de que somente um disparo do alarme seja a presença de alguém no local e que a ocorrência deve ser tratada de acordo com os procedimentos cabíveis.
 
Saiba quais são os principais pontos a que empresas de segurança eletrônica e clientes devem estar atentos para evitar os disparos falsos:
Empresa:
Toda empresa de segurança eletrônica deve tomar alguns cuidados com o projeto. Se o sistema de alarme tiver fio, é necessária a atenção com o cabeamento adequado, com a qualidade do equipamento instalado, com o posicionamento e instalação correta dos sensores, assim como com a realização periódica de manutenções e limpezas.
Cliente:
Deve garantir que todas as portas e janelas estejam fechadas, pois a movimentação de cortinas, correntes de ar, entrada e saída de animais podem ocasionar disparos falsos.
Caso identifique que um sensor no sistema de alarme tem disparado com certa frequência, é fundamental entrar em contato com a empresa para que seja realizada a manutenção.
O cliente também deve tomar cuidado com a localização de objetos suspensos; ar condicionado e ventiladores; animais e ratos; jardim; e com o tempo adequado de saída e de entrada.
 

Topo ^